Loading...

VISITANTES

Perfil

Minha foto
Brasília, Distrito Federal, Brazil
Um blog comprometido com o resgate da cidadania."O aspecto mais importante do caráter de Cristo, foi sua confiança na grandeza da alma humana". É necessário enxergar a verdade sobre o mundo e sobre nós mesmos, ainda que ela nos incomode e nos seja desagradável.

Pesquisar este blog

Carregando...

terça-feira, 22 de julho de 2014

Inaugurado o Comitê de Raimundo Ribeiro (PSDB) em Sobradinho.

 
O candidato a deputado distrital Raimundo Ribeiro (PSDB), inaugurou neste sábado seu comitê em Sobradinho.

A festa do PSDB na cidade, contou com a presença do candidato a governador do DF Luiz Pitiman (PSDB) sua esposa Sandra Pitiman e do vice Adão Cândido (PPS). Dr Raimundo Ribeiro foi deputado distrital e secretário de Justiça e Cidadania onde trabalhou na regularização dos condomínios e na implantação do Na Hora em várias cidades. O DF ganhou com seu mandato exercido como deputado distrital.

É figura conhecida também pelo povo através do seu Programa de TV Tribuna Livre.

O comitê do deputado Raimundo Ribeiro fica na Quadra Central, Bloco 11 lote 3/4 (Fundos do Serra Shopping) Sobradinho/DF, e está à disposição da comunidade para busca de materiais da coligação que tem Pitiman Governador e Aécio Neves Presidente.

Fonte: Blog da Cris por Cris Oliveira.

segunda-feira, 21 de julho de 2014

TRE recebe pedido de impugnação à candidatura de Agnelo ao GDF

Advogado diz desconhecer caso: 'não tem denúncia, nunca foi condenado.'
Pedido foi feito por coligação do ex-governador Arruda, também candidato.

O governador eleito do Distrito Federal, Agnelo Queiroz

O Tribunal Regional Eleitoral informou que recebeu contestação à candidatura do governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), à reeleição. Ao todo, foram 26 impugnações até esta quinta-feira (17), data-limite para fazer os pedidos. Advogado do governador, Luis Alcoforado, disse desconhecer a informação.

"Em todos os documentos dele não há nenhum fato de inegibilidade. Isso deve ser uma tentativa de nivelar por baixo uma discussão que não existe. O Agnelo não tem nem denúncia, nunca foi condenado", disse Alcoforado.

As impugnações não anulam nenhuma candidatura. A licença ou não do registro só será definida em sessões de julgamento pelo TRE. A expectativa é de que todos os casos sejam julgados até o dia 10 de agosto.

De acordo com o TRE, o pedido foi feito por uma candidata a deputada federal pela coligação União e Força 1 – ligada ao PR, partido do ex-governador José Roberto Arruda, acusado de participar do esquema conhecido como mensalão do DEM. Ela já havia entrado com ação para investigar abuso de poder político e econômico por parte do atual governador – a defesa de Agnelo nega irregularidade. O G1 aguarda posicionamento do partido a respeito da impugnação de Agnelo. 

Saiba mais
 

O ex-governador Arruda também teve a candidatura impugnada, mas pela Procuradoria Regional Eleitoral. Para o Ministério Público, Arruda deve ser barrado com base na Lei da Ficha Limpa. O órgão também contestou a candidatura a deputada federal da atual parlamentar Jaqueline Roriz (PMN), também condenada em ação de improbidade.

Arruda e Jaqueline negam irregularidades. O ex-governador disse que o registro da candidatura dele foi feito quando ainda não havia condenação. Segundo ele, seus adversários querem tirá-lo da disputa ao GDF "no tapetão". Ele recorre da condenação.

A assessoria de imprensa de Jaqueline Roriz também disse que a condenação pelo TJ não afeta a candidatura dela a um novo mandato na Câmara dos Deputados. Os advogados da parlamentar entendem que a Lei das Eleições libera a candidatura, porque a regra diz que "as condições de elegibilidade e as causas de inelegibilidade devem ser aferidas no momento da formalização do pedido de registro da candidatura".

Ao todo, o DF tem 1.143 candidatos conforme a Justiça Eleitoral: seis tentam o cargo de governador; oito de senador; 131 de deputado federal; e 998 de deputado distrital.

Todos os políticos terão sete dias para apresentar defesa sobre a impugnação. O Tribunal Regional Eleitoral do DF ainda terá que julgar todos os registros dos candidatos. Todos podem prosseguir normalmente com as campanhas eleitorais até uma decisão final da Justiça.

Fonte: Do G1 DF

sábado, 19 de julho de 2014

Caldeirão fervente 'João Santana X Franklin Martins'

Como divulgado por esta coluna no domingo, o clima na campanha da presidente Dilma Rousseff continua quente. A guerra entre João Santana e Franklin Martins deixou os bastidores. Melhor para João Santana, que viu no posicionamento da presidente uma vitória.

Afinal, a presidente ordenou que o site que fala por ela é justamente o gerido por João Santana. Para piorar o clima, o fogo amigo vem aumentando as labaredas e Franklin vê surgir na mídia denúncias contra sua esposa.

O jogo só está começando e se a temperatura aumentar ainda mais, a criatura vai definitivamente de encontro ao criador. Vale lembrar que Franklin Martins é homem de confiança do ex-presidente Lula e o dia 20 de setembro ainda não chegou.

Fonte: QuidNovi por Mino Pedrosa.

Pensando bem 'João Santana X Franklin Martins'

Essa briga entre João Santana e Franklin Martins está parecendo a guerra entre Coreia do Norte e Coreia do Sul.

Resta saber quem é a Coreia moderna, arrojada, rica de ideias, e quem é a Coreia fechada, beligerante, liderada por um maluco que gosta de armas e do Mickey Mouse.

Fonte: QuidNovi por Mino Pedrosa.

sexta-feira, 18 de julho de 2014

TRE: Candidata da coligação de Arruda pede impugnação de Agnelo Queiroz

Advogado do governador diz desconhecer caso: ‘não tem denúncia, nunca foi condenado.’


O Tribunal Regional Eleitoral informou que recebeu contestação à candidatura do governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), à reeleição. Ao todo, foram 26 impugnações até esta quinta-feira (17), data-limite para fazer os pedidos. Advogado do governador, Luis Carlos Alcoforado, disse desconhecer a informação.

“Em todos os documentos dele não há nenhum fato de inexigibilidade. Isso deve ser uma tentativa de nivelar por baixo uma discussão que não existe. O Agnelo não tem nem denúncia, nunca foi condenado”, disse Alcoforado.

De acordo com o TRE, o pedido foi feito pela candidata a deputada federal pelo PR/DF, Doutora Raquel, por ele não ter apresentado, ao registrar seus documentos, as certidões negativas do Superior Tribunal de Justiça, como determina o artigo 26 da Resolução 23.405/12 do Tribunal Superior Eleitoral.

Agnelo Queiroz responde a pelo menos quatro processos civis por improbidade cometida ao longo do atual mandato e uma ação popular.

Doutora Raquel faz parte da coligação União e Força 1 – ligada ao PR, partido do ex-governador Arruda, acusado de participar do esquema conhecido como mensalão do DEM. Ela já havia entrado com ação para investigar abuso de poder político e econômico por parte do atual governador – a defesa dele nega que tenha havido o crime. O G1 aguarda retorno do partido com o posicionamento a respeito da impugnação de Agnelo.

O ex-governador também teve a candidatura impugnada, mas pela Procuradoria Regional Eleitoral. Para o Ministério Público, Arruda deve ser barrado com base na Lei da Ficha Limpa. O órgão também contestou a candidatura a deputada federal da atual parlamentar Jaqueline Roriz (PMN).

Ao todo, o DF tem 1.143 candidatos conforme a Justiça Eleitoral: seis tentam o cargo de governador; oito de senador; 131 de deputado federal; e 998 de deputado distrital.

Todos os políticos terão sete dias para apresentar defesa sobre a impugnação. O Tribunal Regional Eleitoral do DF ainda terá que julgar todos os registros dos candidatos. Todos podem prosseguir normalmente com as campanhas eleitorais até uma decisão final da Justiça.

Fonte: Portal G1 DF / blog do Callado / Blog do Edson Sombra.

Campanha: Duelo entre candidatos, Agnelo e Arruda trocam farpas

Agnelo e Arruda trocam farpas, numa demonstração de que os ataques na campanha serão polarizados. Governador disse que ficha suja não deveria disputar eleição. O candidato do PR responde que o petista quer ganhar a disputa "no tapetão"

"Ele está acostumado a ganhar no tapetão, de W.O., mas eu desafio o governador para um debate, para comparar o meu governo com o dele" - José Roberto Arruda, ex-governador e candidato pelo PR.


"Um cidadão que envergonha uma cidade, humilha uma cidade perante o Brasil e o mundo, tem a cara de pau de se apresentar de novo para governar uma cidade depois da destruição que ele fez" - Agnelo Queiroz, governador e candidato pelo PT.

Dez dias após o início da campanha eleitoral, começou a polarização entre os candidatos Agnelo Queiroz (PT) e José Roberto Arruda (PR). Os dois fizeram ontem discursos trocando acusações e duríssimas críticas. Depois de a Procuradoria Regional Eleitoral ter impugnado o registro do concorrente do PR com base na Lei da Ficha Limpa, a coligação de Arruda entrou com uma ação de investigação judicial eleitoral contra a chapa encabeçada pelo petista. O argumento do ex-governador é de que o atual chefe do Palácio do Buriti teria usado a máquina pública para fins eleitorais.

Na manhã de ontem, depois de participar de um evento com representantes do movimento hip-hop, Agnelo Queiroz avaliação jurídica do adversário. “A Justiça vai fazer a sua análise, mas, na minha visão, ficha suja não pode participar de eleição”, afirmou. Ele, no entanto, disse que quer enfrentar o adversário nas urnas. “Mas gostaria que o nosso povo pudesse demonstrar isso. Um cidadão que envergonha uma cidade, humilha uma cidade perante o Brasil e o mundo, tem a cara de pau de se apresentar de novo para governar uma cidade depois da destruição que ele fez”, disse o governador.

Depois do discurso de Agnelo, o ex-governador Arruda rebateu a fala do petista. “Pela primeira vez, eu concordo com o governador Agnelo, quando ele diz que o povo tem que decidir. E tem mesmo. Ele está acostumado a ganhar no tapetão, de W.O., mas eu desafio o governador para um debate, para comparar o meu governo com o dele”, comentou José Roberto Arruda. “Mas ele é um governador frouxo e preguiçoso, com a maior rejeição, que envergonha Brasília”, disparou, numa estratégia para duelar a disputa eleitoral com o atual governador do DF.

Ação judicial

Em uma ação protocolada ontem no Tribunal Regional Eleitoral, a coligação de Arruda alega que Agnelo e o vice-governador Tadeu Filippelli teriam usado “uma sequência de ações e práticas deliberadamente voltadas a conferir musculatura à candidatura do então pré-candidato ao GDF, bem como colocá-lo em vantagem frente aos eventuais postulantes ao cargo em disputa”. De acordo com a ação, assinada pelo advogado de Arruda, Francisco Emerenciano, o governo usa a propaganda institucional ou de programas assistenciais em benefício da campanha.

O advogado de Agnelo Queiroz, Luís Carlos Alcoforado, garantiu que o governador apresentará as suas razões assim que for notificado. Para ele, a ação é uma tentativa de tumultuar o processo eleitoral depois que Arruda foi impugnado pelo Ministério Público sob o fundamento de ter sido condenado em segunda instância. “Essa é uma tentativa de criar um sentimento de precariedade, de dúvida, é uma tática que conspira contra a verdade dos fatos. Essas teorias conspiratórias têm como finalidade tentar nivelar as pessoas como se elas tivessem o passado igual. Mas o resultado será manifestamente inócuo”, afirmou Alcoforado.

Fonte: Por Helena Mader, Kelly Almeida e Camila Costa - Correio Braziliense.

Conta alta 'Humberto Costa'

No Senado Federal, o líder do Partido dos Trabalhadores na Casa, Humberto Costa, pressiona o presidente do Congresso, Renan Calheiros, para o início dos trabalhos da CPMI do Metrô.

A CPMI do Metrô foi criada para contrapor a CPMI da Petrobras e os 11 deputados e 11 senadores que integrarão o colegiado já foram indicados pelas respectivas lideranças partidárias.

Mas para colocar o bloco na rua é preciso fazer a leitura durante sessão do Congresso e mais uma vez o Planalto vai ficar devendo ao presidente Renan Calheiros.

Corre a boca grande do Senado que Renan espera o apoio de Dilma para reeleição a presidência do Senado no ano que vem. Tudo isso, vai depender também da reeleição da presidente Dilma. Pelo visto há muito em jogo.

Fonte: QuidNovi por Mino Pedrosa.

Do outro lado 'Aécio Neves & Xico Graziano'

Não é só a campanha da presidente Dilma Rousseff que apresentou problemas na área de internet. A campanha do presidenciável, Aécio Neves, também teve sua baixa.

Trata-se do tucano de alta plumagem, Xico Graziano, que estava a frente da coordenação da campanha digital do tucano, mas foi colocado de lado pela irmã do candidato, Andrea Neves, e realocado na coordenação de “movimentos sociais”.

Xico ainda vai participar da elaboração da agenda de Aécio. Tucano veterano e conhecedor da área social, Xico Graziano no governo FHC esteve a frente do Incra e era a interlocução com o MST.

Fonte: QuidNovi por Mino Pedrosa.

Buscando o foro privilegiado 'TelexFree'

Como já declarou que é preciso fazer alianças táticas, o candidato do PSB ao Palácio do Planalto, Eduardo Campos, não vai se importar de carregar nos ombros um pesado apoio no Espírito Santo.

Trata-se no caso do candidato a deputado federal pelo Partido Republicano Progressista (PRP), Carlos Roberto Costa, um dos sócios da empresa TelexFree, investigada por formação de pirâmide financeira, a fraude que lesou milhares de pessoas pode chegar a $1 bilhão de dólares.

Carlos na verdade tenta uma cadeira na Câmara Federal para se beneficiar do foro privilegiado. A candidatura do empresário teve grande repercussão entre brasileiros que moram nos Estados Unidos devido a grande cobertura que a mídia americana deu ao caso da pirâmide financeira montada com participação de brasileiros.

Fonte: QuidNovi por Mino Pedrosa.

DATAFOLHA: Dilma e Aécio empatam no 2º turno


No primeiro turno, Dilma Rousseff marca 36%, Aécio Neves tem 20% e Eduardo Campos aparece com 8%. Índice de indecisos, brancos e nulos é alto.

A pesquisa DATAFOLHA divulgada na noite desta quinta-feira trouxe duas más notícias para a presidente-candidata Dilma Rousseff (PT). A primeira é que a tendência de a eleição ser decidida no segundo turno ganhou consistência. E a segunda, esta sim uma grande novidade: pela primeira vez, quando o adversário é Aécio Neves (PSDB), o cenário é de empate técnico.

Segundo a pesquisa, encomendada pelo Jornal Folha de S.Paulo e pela TV Globo, Dilma Rousseff marca 36% da preferência do eleitorado, Aécio Neves tem 20%, e Eduardo Campos (PSB), 8%. Pastor Everaldo, do PSC, aparece com 3%. Os demais candidatos, somados, têm 8%. Outros 13% dos entrevistados disseram que pretendem votar em branco ou nulo, e 14% não souberam responder.

Em relação à pesquisa anterior, nos dias 1º e 2 de julho, Dilma oscilou dois pontos percentuais: de 38% para 36%. O tucano manteve 20%, e Campos oscilou de 9% para 8%.

O índice de rejeição a Dilma subiu três pontos em quinze dias: de 32% para 35%. No caso de Aécio, a oscilação foi de 16% para 17%. Campos manteve os 12%.

2º turno – O instituto simulou dois cenários para o segundo turno. Quando Dilma enfrenta Aécio, o resultado foi um empate técnico de 44% a 40% a favor da petista – a margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. Contra Campos, Dilma venceria por 45% a 38%.

O DATAFOLHA ouviu 5.377 eleitores em 223 municípios nesta terça e quarta-feira. A pesquisa foi protocolada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o registro  BR-00219/2014.

Fonte: Revista VEJA.

Análise: Governo e oposição saem da Copa ainda numa situação de zero a zero

A Copa foi uma gangorra para o humor dos brasileiros. O clima antes do evento era de incerteza. Com o início do mundial, imagens de protestos foram substituídas pelas festas das vitórias e pela confraternização com turistas.

Segundo o DATAFOLHA, após a vitória da seleção contra o Chile, Dilma esboçou uma reação. A humilhação contra a Alemanha, a derrota para a Holanda e o fim do torneio reverteram parte desse ânimo.

O orgulho com a seleção brasileira desabou e a avaliação positiva sobre a organização da Copa também sofreu queda, suficiente para voltar a dividir a opinião pública sobre o sucesso do evento.

A oposição, porém, não foi beneficiada pelo quadro. Praticamente estáveis, os candidatos veem novamente a taxa de indecisos crescer, especialmente no termômetro das respostas espontâneas. O saldo do evento na corrida presidencial pode ser considerado um empate sem gols entre governo e oposição.

O segundo tempo dessa disputa começa com a exposição dos candidatos na mídia a partir de agora. Entrevistas, sabatinas, debates e, em breve, o horário eleitoral gratuito passam a canalizar as atenções.

Essa indefinição de boa parte do eleitorado é oportunidade para a comunicação de planos e apresentação de alternativas. O discurso deve ser claro, factível e inovador. A política tradicional não é bem-vinda.

Ruídos podem gerar mais confusão e indecisão entre os eleitores. Prova disso são as oscilações nervosas nas curvas de expectativas dos vetores econômicos e que no último mês acompanharam muito mais as variações de humor dos brasileiros ao longo da Copa do que propriamente a divulgação de indicadores negativos sobre a economia.

O descolamento fica mais evidente quando se observa que 70% dos que hoje têm trabalho não enxergam a possibilidade de serem demitidos, maior otimismo desde março de 2013.

Um diagnóstico preciso das demandas dos diversos estratos do eleitorado é fundamental. O ranking de insatisfação da população elaborado pelo DATAFOLHA com base em pesquisa feita em São Paulo no último mês de junho, por exemplo, dá pistas de como anda a vida na maior cidade do país - cidadãos extremamente inseguros por conta da violência urbana, que gastam boa parte de suas rotinas em atividades que não geram realização profissional ou financeira e em meios de transporte de baixa qualidade. Há pouco tempo livre para o lazer e as perspectivas de um futuro melhor são pessimistas. Não é por acaso que um terço dos eleitores de cidades grandes permanece sem candidato para presidente, mesmo quando os nomes são apresentados.

A adequação do diálogo com esse eleitor desconfiado, que dê conta desse roteiro determinará se a disputa vai ou não para a prorrogação.

Fonte: Por Mauro Paulino e Alessandro Janoni do DATAFOLHA / Folha online.

Mulheres na política '30% de participação das mulheres'

O Ministério Público Federal está com lupa para fazer valer a lei que obriga os partidos e coligações a ter obrigatoriamente 30% de participação das mulheres.
 
Se a Justiça eleitoral levar a lei ao pé da letra, a chapa de um partido ou coligação que não cumprir a cota será impedido de participar das eleições.
 
Esse ano será a primeira vez que será observada pra valer a chamada lei dos gêneros.
 
Fonte: QuidNovi por Mino Pedrosa.

Mordomias 'Secretarias Extraordinárias da Copa'

Com o fim da Copa do Mundo era de se esperar que as Secretarias Extraordinárias da Copa, também chegassem ao fim.

Afinal o evento já passou e não existe mais o porquê dos governos ainda ficarem com o peso de uma extensa folha de pagamento. Um verdadeiro cabide de emprego para aliados, pagos com o dinheiro público.

No Rio Grande do Sul a Secopa vai existir ate dezembro, já no resto do Brasil...

Fonte: QuidNovi por Mino Pedrosa.

Dilma na frente 'Dilma Rousseff & Aécio Neves'

A última pesquisa IBOPE em Santa Catarina, trouxe números que podem indicar uma tendência. A presidente Dilma Rousseff aparece em primeiro lugar com 31% na intenção de voto, o tucano Aécio Neves vem em segundo com 22% e Eduardo Campos segue em terceiro com 08%.

No ninho tucano a pesquisa foi comemorada porque a diferença é muito pequena e a rejeição de Dilma é maior que a do tucano.

No núcleo petista por enquanto a luz vermelha ainda está ligada, mas a presidente Dilma pode respirar um pouco por entender que a derrota da seleção brasileira na Copa do Mundo pouco influenciou nas intenções de voto, ao menos em Santa Catarina.

Fonte:QuidNovi por Mino Pedrosa.

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Ministério Público impugna candidatura de Arruda e outros vinte


A Procuradoria Regional Eleitoral do DF impugnou a candidatura do ex-governador José Roberto Arruda (PR) na tarde desta quarta (16). Para o Ministério Público, Arruda foi enquadrado na Lei da Ficha Limpa. No último dia 9, ele foi condenado por improbidade administrativa em segunda instância pelo Tribunal de Justiça do DF.

A Justiça entendeu que Arruda, a deputada Jaqueline Roriz (PMN), o marido dela, Manoel Neto, desviaram dinheiro público para financiamento de suas campanhas eleitorais. Essa ação de improbidade ficou popularmente conhecida como o mensalão do DEM, segundo o qual os réus participaram de esquema de compra de distritais da Câmara Legislativa em troca de apoio político. Os acusados terão de devolver 200 000 reais em danos morais e 100 000 reais referentes aos danos materiais. Durval Barbosa, delator do esquema, também foi condenado nesse processo. A ação de improbidade administrativa foi proposta pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT).

Embora haja uma divergência sobre a data a ser considerada, o procurador impugnou a candidatura de Arruda. Veja a íntegra do que publicou a Procuradoria Regional Eleitoral:

O Ministério Público Eleitoral impugnou nesta quarta-feira, 21 candidatos registrados no Distrito Federal. Desses, 11 são por conta da Lei da Ficha Limpa. Entre eles está José Roberto Arruda (PR), candidato a governador, e Jaqueline Roriz (PMN), candidata à deputada federal. Caberá à Justiça Eleitoral decidir se o registro deles é válido ou não. Enquanto couberem recursos, a lei assegura que os candidatos podem continuar com a campanha, arrecadar recursos e ter o nome inscrito na urna.

Segundo a Lei da Ficha Limpa e a Constituição Federal, candidatos condenados por improbidade por órgão colegiado não podem ocupar cargo público. Na última semana, o TJDFT manteve a condenação de Arruda e Jaqueline por enriquecimento ilícito, previsto na Lei de improbidade administrativa, e decretou a suspensão dos seus direitos políticos por 8 anos. “A situação de inelegibilidade permanecerá até que seja cumprida a pena e pelos oito anos subsequentes”, esclarece o pedido do Ministério Público.

Apesar de o julgamento ter ocorrido dia 9 de julho, 4 dias após o término do prazo para o registro de candidaturas no TRE, o procurador regional eleitoral do DF, Elton Ghersel, defende que é possível questionar a validade dos pedidos. Segundo ele, o art. 15 da Lei da Ficha Limpa prevê que uma decisão judicial causadora de inelegibilidade produz efeitos imediatos. “Com essa possibilidade, evita-se que um candidato inelegível venha a participar da eleição, pois é possível que a Justiça Eleitoral resolva em definitivo a questão, antes da data da votação”, explica o procurador.

Caso sejam eleitos, Arruda e Jaqueline ficam impossibilitados de assumirem os cargos. No entanto, isso só vale se a decisão do Tribunal for mantida até a data da diplomação. Eles ainda podem recorrer aos Tribunais Superiores.

Outros 9 candidatos tiveram o pedido de impugnação do registro da candidatura com base na Lei da Ficha Limpa: Maria de Lourdes Abadia (Deputada Federal), Aylton Gomes Martins (Deputado Distrital), Célia Maria de Sousa (Deputada Distrital), Christianno Nogueira Araújo (Deputado Distrital), José Paulo Santos (Deputado Distrital), Juarêz de Paula Santos (Deputado Distrital), Marco Antônio Leal da Silva (Deputado Distrital), Maria José da Conceição Maninha (Deputada Distrital), Vandercy Antônia de Camargo (Deputada Distrital).

Já 10 candidaturas foram impugnadas pelo Ministério Público Eleitoral por outros motivos, como ausência de prestação de contas em eleição anterior e de pagamento de multa: Percilliane Marrara Silva (governadora), Expedito Carneiro de Mendonça (Senador), Mauro Rogério Gomes Pessanha (Deputado Federal), Almiro Dias Fiusa (Deputado Distrital), Cleuza Borges dos Santos (Deputada Distrital), Luiz André Solano Roriz (Deputado Distrital), Maria de Lourdes Silva (Deputada Distrital), Maristella Daher (Deputada Distrital), Odilon Batista de Souza Netto (Deputado Distrital) e Rosilene Pereira da Costa (Deputada Distrital).

Os candidatos têm o prazo de 7 dias para contestar os pedidos de impugnação da PRE/DF. O calendário das eleições de 2014 divulgado pelo TSE (Resolução nº 23.690) prevê que os pedidos de registro de candidatos a governador, vice-governador, senador, suplentes e deputados federais, estaduais e distritais deverão estar julgados pelos Tribunais Regionais e publicadas as respectivas decisões até o dia 21 de agosto de 2014. 

Fonte: Informações Grande Angular - Lilian Tahan - VEJA Brasília.

Os desgastes do governador Agnelo Queiroz


Para quem pensa em reeleição, o período eleitoral deve ser acompanhado de boas notícias. Mas no Distrito Federal isso não tem ocorrido. O governador Agnelo Queiroz, na sua tentativa de ter mais quatro anos de mandato, está sofrendo desgastes que podem causar um grande estrago em sua campanha, além de dar muita munição a seus adversários.

A greve dos ônibus e a prisão de mais um administrador regional por suspeitas de vendas de alvarás mostra ao eleitorado de Brasília que está faltando aos gestores do atual governo um pouco mais de colaboração. Uma greve de ônibus é uma coisa totalmente previsível e numa situação dessas o governo precisa ter mão de ferro para não prejudicar a população.

Enquanto aos esquemas dos alvarás, o governo deve ficar atento para que esse tipo de coisa não aconteça. Não precisa ser vidente para saber que sempre tem algo errado e muitas vezes as pessoas próximas ao governador podem se antecipar e evitar a exposição do governo.

O eleitorado está atento e vai cobrar dos atuais gestores no dia 5 de outubro. A população não pode ficar refém de empresários e nem de trabalhos insatisfeitos, e isso é o que ocorre com essas greves de ônibus, que tem deixado os brasilienses na mão.

Para quem não sabe, o Transporte Público será uma das bandeiras do candidato Agnelo Queiroz. Mas do jeito que a coisa caminha, será mais um fator para municiar os seus adversários.

Parece que os estrategistas do governador Agnelo Queiroz não estão atentos a isso. Parodiando o treinador Muricy Ramalho, encerro esse texto dizendo. "A urna pune."

Fonte: Odir Ribeiro.

Eliana Pedrosa: Risco de expulsão do PPS

Apesar da determinação do PPS de apoiar o PSDB, a distrital do partido Eliana Pedrosa, candidata a federal, continua presença assídua nos palanques de Arruda.

No domingo passado, ela acompanhou o candidato do PR em um evento na Estrutural e posou para fotos ao lado do ex-governador.

O PPS não descarta sanções à deputada.“O estatuto deve ser respeitado."

O partido não deixará de tomar providências e poderá levar o caso à comissão de ética do PPS, o que pode gerar expulsão”, diz o novo presidente do PPS, Chico Andrade.

Fonte: Por Ana Maria Campos e Helena Mader - Correio Braziliense / Blog do Edson Sombra.

Quinta-feira decisiva para Arruda


A agonia de quem espera o desfecho do caso Arruda pode está perto do fim. De acordo com o jornalista Eduardo Britto, que assina a coluna Do Alto da Torre, do Jornal de Brasília, nesta quinta-feira,17, o Tribunal Eleitoral (TRE) vai julgar todos os candidatos que serão impugnados ou não. Na lista está o candidato José Roberto Arruda (PR), que teve o indeferimento de sua candidatura pedida pelo PSOL/DF.

Quem vai ser o relator do caso é o juiz José Cruz Macedo. O processo de Arruda vai ser acompanhado de perto por todo o Brasil, já que o ex-governador para muitos é "ficha suja." Esta é a resposta que o TRE/DF precisa dar a todo o meio político.

O blog apurou que Arruda já tem um plano "B", caso seja impugnado pela justiça eleitoral. Sendo a sentença desfavorável, o time vai continuar na rua só que com novos “capitães”. Mais uma vez, a quarta-feira será o dia "D" de Arruda. No banco de reservas estão Alberto Fraga (DEM) e Jofran Frejat (PR). Qual dos dois entrará “em campo primeiro e em que posições”?

Fonte: Odir Ribeiro.

DF: Guerra jurídica pauta eleições


A disputa entre os candidatos das duas maiores coligações que concorrem ao Governo do Distrito Federal (GDF) promete acirramento também no campo da lei.

A tentativa de impugnação da candidatura do ex-governador José Roberto Arruda (PR) vai pautar a campanha até o seu fim. Aliados do governador e candidato à reeleição Agnelo Queiroz (PT) acreditam que sem Arruda na disputa o caminho pode ficar mais fácil. E o PT não vai precisar nem dá a cara a tapa para entrar com uma ação contra Arruda. Pelo menos por enquanto. O PSol, do candidato Antônio Carlos de Andrade, o Toninho, se encarrega de fazer isso, tentando tirar uma lasca. Faz o jogo do PT e ainda ganha holofotes.

Medo de competição

Em 2010, com a saída de Joaquim Roriz da disputa, foi o PSol quem mais cresceu. Teve a sua melhor votação e chegou em terceiro. O candidato era o mesmo Toninho. Alcançou cerca de 15% do votos. Aposta na mesma tática para repetir a façanha da eleição passada.

Mais candidatos

A diferença da eleição deste ano é o maior número de candidatos competitivos. Em 2010 eram apenas Agnelo e Joaquim Roriz (depois Weslian). Corriam por fora Toninho e Eduardo Brandão (PV), que acabou secretário de Meio Ambiente do governo Agnelo.

Rodrigo e Pitiman

Nas eleições deste ano disputam ainda o Buriti o candidato do PSDB, deputado Luiz Pitiman, e o do PSB, senador Rodrigo Rollemberg. Os dois possuem candidatos competitivos à Presidência da República. Pitiman está com Aécio Neves. Rollemberg com Eduardo Campos.

Dilma

A campanha nacional pode influenciar a local. Aécio lidera as pesquisa no Distrito Federal e pode ajudar Pitiman a ganhar votos e subir nas pesquisas. Rollemberg tem em Marina Silva, vice de Campos, uma aposta para crescer. Marina foi a mais votada em 2010 no DF para presidente. Dilma vai mal e não deve ajudar Agnelo.

O que é impugnar

Impugnar é contestar, questionar. No contexto eleitoral, impugnar o registro de uma candidatura significa contestar a validade dela conforme a lei. Impugnação do registro de candidatura pode ser propostas pelo Ministério Público Eleitoral, por coligações, partidos e candidatos.

TRE julga

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) recebe e julga as ações. A partir da notificação pelo TRE, os impugnados têm sete dias para apresentar defesa. Pelo calendário eleitoral, o tribunal precisa julgar todas as impugnações até 12 de agosto. Se condenados, os candidatos podem recorrer ao TSE.

Fonte: Blog do CALLADO - Coluna Coletivo Político publicada na edição de 15 de julho de 2014, no Jornal Coletivo.