VISITANTES

Perfil

Minha foto
Brasília, Distrito Federal, Brazil
Um blog comprometido com o resgate da cidadania."O aspecto mais importante do caráter de Cristo, foi sua confiança na grandeza da alma humana". É necessário enxergar a verdade sobre o mundo e sobre nós mesmos, ainda que ela nos incomode e nos seja desagradável.

Pesquisar este blog

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Diretor do DFTrans fala por 4 horas em comissão na Câmara Legislativa 'Marco Antonio Campanella'


O diretor-geral do DFTrans, Marco Antonio Campanella, prestou esclarecimentos por quatro horas durante reunião na Comissão de Fiscalização, Governança, Transparência e Controle da Câmara Legislativa do Distrito Federal nesta quinta-feira (31).

O diretor foi convocado depois que um documento de 2,5 mil páginas, elaborado pela Associação dos Auditores Fiscais de Transporte (Assefit), foi entregue aos membros da comissão. O mesmo documento foi entregue ao Tribunal de Contas, ao Ministério Público e à Secretaria de Transparência.

Entre as denúncias, os auditores afirmam que a gestão do Sistema de Bilhetagem Automática (SBA) é feita por servidores comissionados ligados a Campanella e que a direção do DFTrans impede que os auditores façam fiscalizem o órgão.

A comissão também investiga o aparelhamento do órgão para fins partidários, suspeita de bilhetagem superfaturada e desvio de recursos no sistema do SBA. 

Passagens pagas por operadora 

Campanella foi questionado pela deputada Celina Leão (PDT) e pela deputada Eliana Pedrosa (PPS) sobre a denúncia de que dois ex-chefes de gabinete dele encaminhavam pedidos de passagens aéreas a uma diretora de empresas do Grupo Amaral. 

Empresas do Grupo Amaral operavam no sistema de transporte coletivo do DF até sofrerem intervenção do GDF, em fevereiro.

As passagens eram destinadas a sindicalistas e filiados do PPL, partido presidido no DF pelo diretor do DFTrans.

“Não entendo como função nem objetivo do DFTrans encaminhar a um concessionário do serviço público do DF o pedido de passagens aéreas”, disse a deputada Celina Leão. “Se fossem passagens rodoviárias, talvez cairia mais dentro do contexto do órgão."

“Queria perguntar para o Campanella se ele acha natural uma empresa fazer fiscalização de transporte e pedir passagens aéreas, seja filiado ou não ao PPL, a um concessionário, à pessoa que presta serviço, que deve obrigação", questionou Celina.

Campanella afirmou que não tinha conhecimento da solicitação. "A nossa chefia de gabinete centraliza pedidos de toda natureza, centenas de pedidos todos os meses para atender entidades sindicais, filantrópicas, idosos. As solicitações são encaminhadas, mas não representam nenhuma troca de favores.”

“Não há nenhum favorecimento ao grupo. Fizemos um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com o Grupo Amaral e cobramos implacavelmente o cumprimento do TAC na Justiça", disse. “Não peço para ninguém que me pede passagens atestado de filiação partidária”, disse.

Auditores que assistiam à reunião da comissão da CLDF levantaram cartazes escritos com a palavra "mentira" durante fala do diretor do DFTrans, Marco Antônio Campanella (Foto: Isabella Formiga/G1)  Auditores que assistiam à reunião da comissão da CLDF levantaram cartazes escritos com a palavra "mentira" durante fala do diretor do DFTrans, Marco Antônio Campanella

O diretor do órgão afirmou que o dono do Grupo Amaral agiu com 'revanchismo' depois que o GDF interveio nas operações de ônibus da empresa e que o empresário não tem “autoridade moral” para falar dele.

“Não posso aceitar que esse senhor possa levantar qualquer tipo de dúvida sobre a nossa postura à frente do DFTrans, porque ele não tem autoridade moral para isso. Foi o primeiro barão do transporte que derrubamos graças à ação corajosa do governador e isso é prova irrefutável de que não houve favorecimento.”

“Seu Valmir Amaral é um mentiroso, mentiroso, e vamos processá-lo na Justiça. Ele vai pagar pelo que ele disse, por essa infâmia”, disse Campanella. 

Filiações no DFTrans 

Campanella negou que haja aparelhamento do DFTrans e que os servidores comissionados do órgão sejam filiados ao PPL. Segundo ele, apenas 13 de 88 servidores são do partido. Na direção do DFTrans, dois servidores são ligados ao partido e três ao PT, informou. 

Saiba mais
 
"Esses dados demonstram de forma cabal que não há da nossa parte e do uso de cargos comissionados ou qualquer tipo de favorecimento ao nosso partido."

O deputado Joe Valle questionou o diretor sobre ônibus de duas empresas com contratos emergenciais vencidos que foram flagrados circulando sem cobertura e com validadores.

Campanella atribui a circulação dos veículos à fiscalização ineficiente dos auditores, o que provocou alvoroço na comissão.

Parte dos auditores que estavam presentes levantou placas escritas com a palavra “mentira”.

Houve também aplausos em apoio ao diretor. O presidente da comissão, Joe Valle, pediu que os participantes não se manifestassem para não transformar a comissão em “palanque”. 

Investigação 

A relatora do caso na comissão, deputada Eliana Pedrosa, afirmou que não recebeu do DFTrans os documentos solicitados, como cópias de processos, documentos de fiscalização e multas.

O deputado Joe Valle (PDT), presidente da comissão, também reclamou que os distritais que investigam as denúncias não receberam as senhas de acesso ao Sistema de Bilhetagem Automática (SBA).

Campanella disse que não entregou os documentos aos servidores designados por Eliana Pedrosa porque os membros da comissão não eram servidores de carreira, como prevê a Lei Orgânica do DF.

Diversas vezes Campanella atribuiu o não cumprimento de diligências e prestação de esclarecimentos à falta de servidores no DFTrans. Ao final da sessão, ele informou aos membros da comissão que as senhas solicitadas já haviam sido entregues ao presidente da Casa, Wasny de Roure (PT).

Fonte: QuidNovi por Mino Pedrosa.

Tudo azul 'Joaquim Roriz'


Com o termino do outubro rosa, vem ai o novembro azul. O Congresso Nacional ficará todo iluminado de azul a partir do dia 4 de novembro para a campanha de conscientização contra o câncer de próstata promovida pela Sociedade Brasileira de Urologia.

A equipe de marqueteiros do cacique Joaquim Roriz já está a postos para filmar toda a Esplanada de azul e os monumentos que estarão participando da campanha. Afinal, o azul é cor de identificação do cacique e as gravações arquivadas farão parte de seu programa na TV.

Há quem aposte, que essa ajuda extra, fará com que os eleitores não tirem da memória o cacique, dando um empurrãozinho em pleno começo do jogo político para 2014.

Voto a mais

Tudo pronto para a degola do deputado distrital, Raad Massouh, o presidente da Câmara Legislativa, Wasny de Roure abriu os trabalhos secretariado pelo deputado Agaciel Maia, plenário cheio, tudo como manda o figurino.

Mas, a pergunta que não quer calar é porque uma casa legislativa nova e moderna ainda enfrenta problemas do século passado. A votação ainda é feita em cédulas de papel, o curioso que a Câmara Legislativa se encontra ao lado da sede do Tribunal Regional Eleitoral do DF, que costuma emprestar urnas eletrônicas para várias eleições que ocorrem na Capital da República.

O que se temia realmente aconteceu, durante o processo de votação em cédulas de papel, foram encontrados 24 votos, mas só 23 parlamentares poderiam votar. A fila para cassação de mandatos da Câmara Legislativa do Distrito Federal é extensa e como não dá tempo para implantar um sistema digital talvez fosse melhor a casa pedir ajuda do TRE/DF para evitar novos constrangimentos.

Fonte: QuidNovi por Mino Pedrosa.

Fora do páreo 'Claudio Monteiro'


Na terça feira passada o Secretário da Secopa, Claudio Monteiro, comandou uma reunião na Companhia Imobiliária de Brasília (TERRACAP) e foi indagado sobre a candidatura do ex-governador, José Roberto Arruda, ao Palácio do Buritii. Arruda estava sendo apontado nas pesquisas como favorito, depois do cacique Joaquim Roriz.

Claudio Monteiro disse que o caso da candidatura de Arruda já estava sendo resolvido na Justiça pelo Partido dos Trabalhadores. Pelo visto o ex-governador Arruda está fora do páreo. E o cacique Joaquim Roriz também tem problemas na Justiça.

Segundo, Claudio Monteiro, o PT vai se empenhar totalmente para varrer o caminho e deixar Agnelo livre para a reeleição. Cláudio Monteiro é considerado o braço direito e esquerdo do governador Agnelo Queiroz e demonstrou tranquilidade no quesito reeleição.

Fonte: QuidNovi por Mino Pedrosa.

A volta de Lula '2014'


Os movimentos internos de parlamentares do Partido dos Trabalhadores parecem que começaram a balançar o coração do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Durante cerimônia no Congresso Lula afirmou que voltaria em 2018 deixou claro que ainda tem fôlego para disputar eleições.

Para quem conhece o ex-presidente sabe que Lula se referia a 2014 e sinalizou para os petistas que está pronto para entrar em campo. Do outro lado da rua, no Palácio do Planalto, a presidente Dilma Rousseff não gostou nada de ouvir o ex-presidente alvoroçando os petistas, afinal Dilma acreditava que tinha estancado essa “sangria” do volta Lula.

Ao comparecer no gabinete da liderança do PT para ser homenageado, Lula encontrou tempo para tirar fotos com quase todos os petistas visando utilizá-las na campanha do ano que vem. Lula dizia que no ano que vem teria tempo de pousar para fotografias, mas os deputados queriam garantir logo o material dos santinhos.

Fonte: QuidNovi por Mino Pedrosa.

CLDF votará publicidade em Blogs e Jornais

 

Os blogueiros e representante dos jornais comunitários – devem se reunir na próxima quarta-feira, 6 de novembro, para pressionar a casa legislativa do Distrito Federal – na aprovação do PELO que destina 10% da publicidade para estes canais.

No dia 6 de novembro, próxima quarta-feira, a Câmara Legislativa do Distrito Federal vai votar a Proposta de Emenda à Lei Orgânica (PELO) nº 51/2013, de autoria da deputada Luzia de Paula, que destina 10% da verba publicitária dos órgãos públicos do Distrito Federal para os veículos alternativos de comunicação comunitária impressa, falada, televisiva e online.

Fonte:  Movimento dos Blogueiros de Brasília - MBB

Adriana Lima participa de reunião com Elany Leão para tratar de publicidade em blogs e Jornais Comunitários

O Movimento dos Blogueiros de Brasília e ASVECOM unidos em prol da mídia independente

A ASVECOM - Associação de Veículos de Comunicação Comunitária do DF e Entorno recebeu em sua sede, em Taguatinga, no dia 25/10, a Subsecretária-Adjunto de Publicidade do DF Elany Leão. 


Ivan Bispo, Josué Sousa, Subsecretária Elany Leão, Administrativo ASVECOM Fabinho Dias, Presidente ASVECOM Salvador Serapião, Vice-Presidente (Fundador) Edvaldo Brito.

Representando a mídia eletrônica (blogs, sites e etc) esteve a consultora e blogueira – Adriana Lima - responsável pelo site Revista de Luxo. E coordenadora das mulheres blogueiras – dentro do MBB. 

Mulheres comunicadores dos Jornais Comunitários e Blogs do DF.

O encontro foi para discutir maior apoio do Governo do Distrito Federal – GDF – junto aos profissionais que atuam em jornais comunitários e mídias eletrônicas. E para tratar da verba publicitária destinada aos jornais e blogs. 

Fonte: ASVECOM

Com Raad Massouh cassado. Tatu não fica na toca e vai tentar seu mandato de deputado


Mal esfriou a cassação do ex-deputado distrital Raad Massouh (PPL) e a briga pelo mandato do ex-parlamentar se inicia. O entrevero é entre o ex-secretário do Entorno Paulo Roriz e o ilustre morador de Samambaia, Hamilton Teixeira dos Santos, 35 anos, mais conhecido como 'Tatu do Bem' (conheça um pouco a sua história). O postulante Tatu protocolou na noite desta quarta-feira, 30, um ofício pedindo a sua imediata posse.

O primeiro da lista a tomar posse seria Paulo Roriz, mas ele saiu do DEM e foi para o PEN e hoje está no PP. Configurando infidelidade partidária. A justiça eleitoral entende que o mandato é do partido e não do deputado. Alguns casos de infidelidade partidária servem de parâmetro para o destemido Tatu do Bem.

O imbróglio de quem vai ficar com a vaga de Raad está apenas começando. Uma coisa é certa, os advogados terão muito trabalho.

Nessa história o Tatu avisou e prometeu que não ficar na toca. Já tem muita gente com as barbas de molho.

E com essa cantiga junina encerro esse post. “O baile vai até o Sol raiar! A casa vai estar tão cheia, que mal vai poder se andar. Vai estar tão gostoso o reboliço, e o sanfoneiro, não vai tocar só isso.” 

Fonte: Blog do Odir Ribeiro.

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Câmara Legislativa do DF cassa o mandato de Raad Massouh, o terceiro na história da Casa


Por 18 votos a favor, três contra e duas abstenções, a Câmara Legislativa do Distrito Federal cassou nesta quarta-feira, 30, o mandato do deputado Raad Massouh (PPL). O agora ex-distrital tentou de todas as maneiras se salvar, tendo inclusive entrado com recursos na justiça, mas nada impediu que o parlamentar perdesse o mandato. Massouh é acusado de desviar recursos públicos de uma emenda liberada por ele em 2010. 

Ao longo da tarde, a expectativa era para que a votação fosse rápida. Mas o que se viu foi um Raad esperançoso de um lado do Plenário, e do outro, os seus pares, que seriam responsáveis por cassar o terceiro distrital da história da CLDF através do voto secreto. 

“Eu não sei o porquê estou aqui, nem de que estou sendo acusado. Estão cometendo uma injustiça”, disse Raad, pouco antes de entrar no Plenário acompanhado de sua esposa.

Após a leitura do relatório do relator Joe Valle (PDT), alguns parlamentares fizeram o uso da palavra. Os petistas Patrício, Chico Vigilante, Chico Leite e Dr. Michel (PP) foram à tribuna para explicar as razões que levaram a CLDF prosseguir com o pedido de cassação do distrital. 

“Nós analisamos uma série de documentos, e esse processo é fruto do envolvimento do deputado Raad com dois marginais”, disparou Vigilante. 

Já Chico Leite (PT) reafirmou sua decepção com a decisão do TJDFT em obrigar a votação secreta na CLDF. Para o parlamentar, a Casa não pode se submeter a isso e que o momento não era de se fazer um julgamento político, e sim em cima dos documentos apresentados aos parlamentares. 

“Eu não participo de julgamento político, pois quem deve fazer isso são os eleitores, nas urnas”, enfatizou o petista. 

Decisão: Após os deputados usarem a tribuna, o presidente Wasny de Roure (PT) deu inicio à votação. Mesmo com todo o processo explicado detalhadamente pela Mesa Diretoria aos parlamentares, houve confusão. No final da primeira votação, o resultado foi anulado, por ter sido encontrada uma cédula a mais na urna colocando em dúvida o resultado. Antes do encerramento da primeira votação, suspeitava-se que Raad não iria esperar o final, o distrital cassado saiu do plenário com a esposa, mas no meio da segunda votação, Raad se retirou. Após nova votação, a cassação de Massouh foi confirmada. 

Investigação: Após a divulgação do resultado da votação, o deputado Chico Leite (PT) afirmou que uma sindicância deveria ser feita para saber por que 24 envelopes foram encontrados na urna. Pedido que foi feito também por Celina Leão (PDT). De acordo com o presidente Wasny, os parlamentares serão atendidos. 

Bilhete: Durante a sessão que encerrou a vida política de Raad Massouh, foi possível ver o presidente de seu partido, o PPL, circular livremente pelo Plenário da Casa. Envolvido em uma polêmica, Marco Antônio Campanella, que também dirige o DFTrans, é acusado de usar a estrutura governamental para fazer política eleitoreira.
 
Durante a sessão, Campanella fez algumas anotações, prevendo quem votaria pela salvação de Raad a pedido do governado Agnelo Queiroz.



“O governador nunca pediria isso, e se pedisse eu diria não. O Campanella não tem direito de falar por mim e por nenhum parlamentar desta Casa”, bradou Chico Vigilante, apoiado por Arlete Sampaio e Patrício. 

Cassado: Raad Massouh é o terceiro parlamentar a perder o mandato na história da Câmara Legislativa do Distrito Federal. Antes dele, Carlos Xavier e Eurides Brito tiveram seus mandatos retirados por seus pares. Mesmo apelando para a emoção e para a consciência, Raad, que se disse vítima de perseguição pelo MP e pela Polícia e acusou uma suposta vingança de alguns desafetos na Câmara, não conseguiu segurar o seu mandato. A partir deste momento, quem assume é o seu suplente, Paulo Roriz. 

Fonte: Guardian Notícias - Por Ricardo Faria - redacao@guardiannoticias.com.br

Flagrante de reincidência 'Marco Antônio Campanella'


Na semana passada uma blitz em conjunto da DECAP, DOE e DFTRANS flagraram seis ônibus ilegais que circulavam cobrando passagem com o validador, equipamento oficial cedido pela Secretária de Transportes. Os ônibus clandestinos foram recolhidos ao pátio do DFTRANS.

O curioso é que o DFTRANS flagrou ontem os ônibus circulando com a mesma irregularidade e com novos equipamentos validadores cedidos pela Secretária de Transportes. A carteirada do motorista que conduzia o ônibus ilegal foi dizer que a autorização teria sido dada pelo presidente do DFTRANS, Marco Antônio Campanella.

O registro está na DECAP e DOE, delegacias que acumulam denuncias envolvendo o nome de Campanella. Na DECAP agentes preparam um pente fino e esperam flagrar várias irregularidades permitidas pelo presidente do DFTRANS.

Fonte: QuidNovi por Mino Pedrosa.

Tensão no plenário 'Chico Vigilante'


A tarde de terça feira 29 foi tensa na Câmara Legislativa. Deputados distritais, líderes de partidos decidiram votar em plenário o processo de cassação do deputado distrital, Raad Massouh. O modelo de votação será secreto e pode permitir uma manobra, deixando o distrital cumprir seu mandato.

O plenário da Câmara Legislativa estava cheio quando a autoridade parlamentar deputado distrital Chico Vigilante, do alto da tribuna, voltou a atacar o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. A autoridade chamou a atenção dizendo que seus telefones e o da presidente Dilma Rousseff haviam sidos grampeados por agentes secretos da NSA.

A preocupação da autoridade parlamentar é que pode ser revelado a qualquer momento, diálogos que ele teve com líder comunitário do grotão da cidade satélite da Ceilândia, seu reduto eleitoral. O parlamentar deve ter comentado sua estratégia para a reeleição em 2014. Disse também chamando a atenção em seu discurso que é muito grave a invasão de privacidade cometida pelo pentágono e que todos devem ficar atentos para estas denuncias.

Mas, em momento algum citou a invasão de privacidade de bisbilhoteiros preparando dossiês a fim de intimidar a candidatura de Reguffe e Rollemberg ao governo do Distrito Federal. A autoridade parlamentar externou preocupações profundas com a arapongagem dos Estados Unidos em vários países e fez registrar nos anais da Câmara Legislativa o seu repúdio ao governo de Barack Obama.

Vigilante, sempre vigilante, arrancou suspiros de alguns de seus pares e quando deixou a tribuna respirou com ar de dever cumprido, chamando a atenção do mundo através de seu discurso.

Fonte: QuidNovi por Mino Pedrosa.

Flávia Arruda para distrital?

jose_roberto_arruda_flavia_arrudaA mulher do ex-governador José Roberto Arruda, Flávia, é muito querida entre os aliados do marido. Tanto que o seu nome está sendo ventilado como candidata a distrital nas próximas eleições pelo PR, partido que se filiou juntamente com Arruda e muitos outros aliados. 

Segundo alguns políticos, Flávia Arruda viria candidata a distrital principalmente se acontecer algum empecilho jurídico com o ex-governador Arruda até as eleições de 2014. Até o momento o assunto não foi confirmado nem desmentido pelo casal. Integrantes do PR já garantem que ela seria uma grande aposta para estar na Câmara Legislativa do Distrito Federal. 

Fonte: Estação da Notícia / Postado por Sandro Gianelli.

Com 18 votos a favor, CLDF cassa mandato de Raad Massouh.


A Mesa Diretora da Câmara Legislativa do Distrito Federal decidiu nessa quarta-feira (30), por 18 votos a favor e 3 contra, cassar o mandato do deputado distrital Raad Massouh (PPL), investigado por suposto desvio de verba parlamentar. Houve duas abstenções.

A decisão foi tomada por volta das 19h20 dessa quarta-feira durante sessão na Câmara Legislativa.

A votação na Casa havia sido foi suspensa por volta das 18h45 após ser constatado que havia mais votos depositados na urna do que deputados aptos a votar. A apuração constatou 24 votos, no entanto, 23 distritais podem participar da decisão.

Por causa do problema, houve bate-boca entre alguns presentes. O presidente da Câmara Legislativa, Wasny de Roure (PT), decidiu suspender a sessão e convocar nova votação. Nenhum voto foi divulgado.

O deputado Chico Vigilante (PT) sugeriu que ele e mais dois distritais acompanhassem o depósito dos votos ao lado da urna. A votação começou no horário previsto, por volta das 16h.

Raad Massouh é suspeito de desviar parte da verba de emenda parlamentar destinada à realização do 1º Festival Rural Ecológico de Sobradinho, em 2010.

Durante a sessão desta quarta, o distrital reafirmou sua inocência perante os parlamentares. "Por uma acusação anônima, que diz que eu apresentei uma emenda parlamentar para a cidade de Sobradinho de R$ 100 mil e, depois de todos os pagamentos e tudo que foi feito, me acusaram de ter recebido R$ 47 mil".

Em seguida, Massouh cometeu uma gafe ao se referir à postura dele como deputado. "Sempre lutei contra a integridade, contra a moralidade nessa Casa. Não ia me sujar por causa de R$ 47 mil."

Relator do processo contra Massouh na Comissão de Ética e Direitos Humanos da CLDF, Joe Valle se manifestou a favor da cassação do mandato de Massouh. "Mesmo que a missão seja amarga, mesmo que seja difícil, precisamos cumpri-la", afirmou o relator.

O corregedor da Casa, deputado Patrício (PT), foi o terceiro a falar. Ele afirmou que não houve perseguição política, mas um trabalho de investigação feito pelos próprios parlamentares.

"Aqui é um julgamento. A Câmara Legislativa faz seu julgamento político baseado em provas e nos autos. Se não for assim, é simples: acabamos com a Corregedoria, acabamos com a Comissão de Ética e dobremos os joelhos para o poder Judiciário. Esse órgão é autônomo e independente e tem seus mecanismos e sua instâncias de julgamento interno", disse Patrício.

Chico Vigilante anunciou, antes do início da votação, que os seis deputados do PT se pronunciariam juntos a favor da perda de mandato, mantendo, segundo Vigilante, um posicionamento de bancada.

No último dia 10 de setembro, Raad conseguiu a suspensão do processo de cassação por quebra de decoro parlamentar na CLDF até a decisão colegiada na Justiça, que aconteceu no dia 22 de outubro.

O pedido foi feito com base na decisão sobre os processos de quebra de decoro dos deputados Benedito Domingues (PP), Rôney Nemer (PMDB) e Aylton Gomes (PR), que já foram condenados em primeira instância pelo Tribunal de Justiça. As ações contra eles na Câmara Legislativa foram suspensas até que um colegiado de juízes decida sobre os casos.

Fonte: G1 / QuidNovi por Mino Pedrosa.

Voto “secreto”


Um grupo de 13 deputados distritais num colegiado de 24 parlamentares, reuniu-se após a sessão plenária da Câmara Legislativa do Distrito Federal e decidiram que votarão pela cassação do deputado distrital Raad Massouh. Embora o parlamentar tenha feito nos últimos dois dias uma verdadeira peregrinação de gabinete em gabinete tentando salvar seu mandato.

Ontem na reunião do colégio de líderes foi decidido que a sessão terá o voto secreto. O governo aposta todas as fichas que Raad será absolvido, como o voto é secreto os treze que já adiantaram o voto podem mudar na hora da votação.

Afinal, seguindo a voz do saudoso Tancredo Neves: “O voto secreto dá uma vontade de trair danada”.

Fonte: QuidNovi por Mino Pedrosa.

Em Defesa de Brasília...Esperamos que sim!!!!


Fonte: Facebook

Deputados Distritais sejam aquilo que o povo de Brasília espera de vcs...Dignidade e Seriedade!!!!


Fonte: Facebook

Caso Raad Massouh seja cassado, Tatu pode ser o deputado de Samambaia na CLDF


Com uma população estimada de 220.806 habitantes, a cidade de Samambaia poderá ganhar um deputado distrital, caso o deputado Raad Massouh seja cassado por quebra de decoro parlamentar na sessão de votação secreta hoje (30/9) da Câmara Legislativa do DF. O futuro parlamentar é Hamilton Teixeira dos Santos, 35 anos, é do DEM e nas últimas eleições teve 3.170 votos. Não se elegeu, mas continua o seu trabalho social.

Só que para chegar a tomar posse terá que enfrentar – talvez – uma briga jurídica, pois o suplente Paulo Roriz também quer a vaga. Só que ele saiu do DEM e ficou um tempo sem partido e no final do prazo das filiações desembarcou no PP, de Benedito Domingos e Paulo Octávio. Disposto a encarar a briga, o presidente regional do DEM, Alberto Fraga, diz que irá comunicar ao Tribunal Regional Eleitoral que notifique a Câmara Legislativa para que dê posse a Tatu.

Fraga está baseado no fato de o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou que os mandatos conquistados em eleições proporcionais (vereadores, deputados estaduais e federais) pertencem aos partidos e não aos políticos eleitos. “Vou me municiar de todo arcabouço jurídico para reclamar na Justiça Eleitoral o mandato pertencente ao DEM”, garante o presidente regional do DEM, Alberto Fraga.

Indignado com o “troca-troca” partidário, Fraga garante que não vai deixar que o “oportunista do Paulo Roriz fique com um mandato que não lhe pertence. Vamos até o STF se for necessário para garantirmos o mandato”. O democrata explica que os dois suplentes da vaga de Raad não estão mais no partido, Paulo Roriz e José Luiz.

Tatu do Bem – Casado com Sirley Lelis com quem tem dois filhos – Maria Eduarda e Edmundo (foto), o provável novo parlamentar Hamilton Tatu (DEM) é um a pessoa humilde e reside em Samambaia, onde dirige o Instituto Cultural Amigos do Bem, oriundo do Grupo Cultural Folclórico Quadrilha Pau Melado, conhecido em todo o Brasil. “Nosso instituto oferece diversas modalidades de esportes para mais de mil pessoas em Samambaia, entre elas crianças, adultos, idosos e portadores de necessidades especiais. Temos futebol, judô, karatê, balé, dança. É a Quadrilha Pau Melado, atual tetracampeã nacional, foi formada há 12 anos aqui”, contou Tatu ao Jornal da Comunidade.

Em Samambaia pouca gente sabe quem é Hamilton Teixeira dos Santos. Mas é bem fácil descobrir. Basta perguntar quem é Tatu e logo alguém sabe informar como encontrá-lo na cidade, que ele defende como como líder comunitário. A sua luta poderá ser recompensada com um mandato, caso a Câmara Legislativa venha a casar o mandato de Raad Massouh. Há quem diga que ele poderá comemorar o aniversário, no próximo dia 13 de novembro, já na Câmara Legislativa. Só que a luta poderá ser longa.

Fonte: Estação da Notícia / Blog do Odir Ribeiro.

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Caso Raad Massouh: Destino de Raad Massouh será definido nesta quarta-feira

A Mesa Diretora da Câmara Legislativa decidiu que o processo de cassação contra o deputado Raad Massouh (PPL) será julgado em plenário nesta quarta-feira (30). Os deputados não vão adiar a votação por causa do recurso apresentado à Justiça pela defesa do parlamentar. O voto será secreto, como determinou o Conselho Especial do TJDFT.

O presidente da Câmara, Wasny de Roure (PT), disse que vai comunicar todos os deputados da Casa sobre a decisão. Até o fim do dia, ele também vai anunciar se Raad Massouh poderá ou não votar na sessão.

Fonte: Correio Braziliense - Coluna Eixo Capital.

Na Varanda: Distritais com medo de Raad Massouh?

Assustados com a possibilidade de uma absolvição no processo ético-disciplinar a que responde o deputado Raad Massouh, distritais combinam ação protetiva.

Todos sabem que o eleitor irá cobrar nas urnas em 2014 a conduta dos candidatos, e irão lembrar da sessão que vai julgar se Raad Massouh quebrou o decoro parlamentar.

O julgamento terá votação secreta por força de decisão judicial.

E para que não sejam surpreendidos com suspeitas inverídicas, vários distritais já decidiram: antes de depositarem a cédula de votação irão gravar em vídeo do celular como votaram.

Não pretendem os parlamentares tornarem público o voto, e sim se precaverem para as próximas eleições. "Temo que o eleitor me confunda com os demais." Desabafou um distrital.

Fonte: Na Varanda com Edson Sombra

Caso Raad Massouh: Raad tenta novamente adiar sessão na Câmara

Advogados do distrital entram com recurso para suspender a análise do processo contra o parlamentar. A iniciativa, porém, pode ter efeito adverso. Isso porque o Congresso deve aprovar a PEC do voto aberto, que afeta o deputado. 

Raad (E) durante depoimentos na Câmara: deputado quer evitar julgamento mesmo por meio do voto secreto

A defesa do deputado Raad Massou (PPL) recorreu da decisão judicial que liberou a análise do processo de cassação do parlamentar na Câmara Legislativa. A votação estava prevista para amanhã, mas os advogados do distrital querem adiar a sessão até a apreciação dos recursos. A apresentação dos embargos de declaração, entretanto, pode se transformar em um tiro no pé: se a proposta de emenda constitucional (PEC) nº 43/2013, que tramita no Congresso Nacional, for aprovada nas próximas semanas, Raad Massouh terá que enfrentar um processo de cassação com voto aberto. Nesse caso, as chances de ele escapar da degola são praticamente nulas.

A Câmara Legislativa alterou a Lei Orgânica do DF em 2006 para garantir votações abertas em processos de perda de mandato. Mas a Constituição Federal ainda prevê o voto secreto nesses casos, o que dá margem para questionamentos judiciais. Em agosto, a Comissão de Ética da Casa deu parecer favorável à cassação de Raad, acusado de suposto desvio de uma emenda parlamentar de R$ 100 mil liberada por ele em 2010. Os recursos seriam destinados à realização de um evento rural em Sobradinho. O processo passou pela Comissão de Constituição e Justiça até chegar ao plenário da Câmara.

Mas o deputado distrital recorreu à Justiça pedindo a suspensão do andamento do processo e, em caso de recusa, a votação secreta. Conseguiu somente a segunda parte do pleito. Na semana passada, o Conselho Especial do Tribunal de Justiça autorizou a Câmara Legislativa a dar andamento ao processo, desde que o voto seja secreto.

O advogado de Raad Massouh, Rodrigo Nazário, apresentou ontem embargos de declaração e defende um novo adiamento da sessão para votar o processo de cassação. “Os embargos têm poder suspensivo e cancelam os efeitos do acórdão. No nosso entendimento, a apreciação do processo tem que continuar suspensa na Câmara Legislativa”, afirma o advogado do parlamentar. “Sobre a possibilidade de mudança na Constituição nesse período, todo o trâmite para alterar o artigo 55 tem que ser concluído. Não sei se isso será possível no espaço de tempo, mas não pautamos nossa atuação nessa proposta de emenda”, acrescenta.

"Vamos conversar sobre a data para apreciação, mas minha posição é que seja na quarta-feira" Wasny de Roure, presidente da Câmara Legislativa
 
Procuradoria

O presidente da Câmara Legislativa, Wasny de Roure (PT), diz que ainda não foi notificado sobre a apresentação de embargos e que a Procuradoria da Casa vai avaliar se esse recurso, de fato, tem efeito suspensivo. A princípio, a intenção da Mesa Diretora era marcar para amanhã a sessão a fim de avaliar o processo de cassação. “Amanhã (hoje), temos reunião de líderes e da Mesa Diretora. Vamos conversar sobre a data para apreciação, mas minha posição é que seja na quarta-feira. Temos uma decisão judicial que determinou a votação, não podemos ficar esperando a decisão do Congresso Nacional, até porque isso pegaria mal”, explica o presidente.

Ele conta que vai pedir aos deputados que compareçam à sessão da análise do caso Raad Massouh, já que o tema exige quórum qualificado (no mínimo, 14 distritais). “Já é uma matéria desagradável e pretexto para não ir é o que não falta”, acrescenta Wasny. Ele diz que a Mesa Diretora vai ao Supremo Tribunal Federal para recorrer da decisão do Conselho Especial do TJDFT que determinou votação secreta, mas somente depois da análise do processo contra Raad Massouh.

A apreciação da PEC nº 43, que garante a votação aberta em todas as decisões do legislativo, foi aprovada na Comissão de Constituição e Justiça do Senado na semana passada e havia uma expectativa de o plenário da Casa analisar a matéria ainda esta semana. Mas líderes partidários reconhecem que o tema dificilmente entrará na pauta nos próximos dias. A aprovação da emenda constitucional tem efeito imediato e a regra não depende nem sequer de sanção presidencial para entrar em vigor. Ou seja, se os senadores decidirem priorizar o tema e a PEC for votada antes da análise do caso Raad, o distrital terá que ser julgado na Câmara Legislativa com o voto aberto. 

Composição

O Conselho Especial do TJDFT é um colegiado que faz parte da composição da segunda instância no Poder Judiciário local. Tem atualmente na presidência o desembargador Dácio Vieira. É formado por 17 membros titulares e cinco substitutos. O conselho é responsável por julgar processos criminais que envolvem autoridades com foro privilegiado no âmbito do DF. Entre eles, estão deputados distritais, secretários de Estado e o procurador-geral do Distrito Federal. 

Fonte: Helena Mader - Correio Braziliense.